terça-feira, 17 de maio de 2011

A Cultura dos Bosquímanos

No deserto mais traiçoeiro do mundo “o calarrare”. Após a curta estação de chuvas há muitos córregos e rios. Mas após algumas semanas a água desaparece nas terras do calarrare os córregos secam e os rios param de correr a grama adquire um belo tom dourado, constituindo um belo pasto para os animais. Mas nos próximos nove meses não haverá água para beber, então a maioria dos animais se vai sem comer o lindo pasto verde. Os bosquímanos vivem neste deserto (calarrare), e eles sabem onde buscar água, povos, e tubérculos.
Eles sabem aproveitar a água que eles têm, por exemplo: Eles aproveitam a água do orvalho da noite anterior para beber. Eles deparam com enorme tubérculo eles tiram as suas raspas com um bastam bem afiados. Eles pegam um punhado de raspas apertam (com a mão) em direção para a boca.
Devem ser o povo mais feliz do mundo eles não têm crime, pun-,ição, nem violência. Não tem Leis nem polícia nem chefes. Acham que os deuses só colocam coisas na terra para eles usarem, lá não há nada ruins nem malvadas (para eles). Os bosquímanos vivem em vários grupos na tribo eles ficam até um ano sem se ver no calarrare. Há bosquímanos que nunca viu um homem civilizado, às vezes escutam trovões e acham que são os Deuses que comeram muito e suas barrigas estão roncando de novo, são um povo muito meigo.
Quando a família precisa de comida eles molham uma flecha em um líquido que age como calmante. Ele atira no animal, a flecha cai e o animal sai correndo, mas logo uma sonolência faz o parar assim ele adormece e o caçador pede desculpas e explica que sua família precisa de carne. A característica que faz os bosquímanos serem diferente das outras raças é que eles têm senso de porte, aonde vivem não há nada que se possa possuir, apenas árvore, mato, e animais. Eles nunca viram uma pedra ou rocha, eles conhecem bem a madeira e vivem num mundo amável onde nada é duro como uma rocha ou concreto. Há apenas sessenta dias ao sul há uma grande cidade, e aqui há homens civilizados aqui eles construíram ruas, comércios, maquinas, e redes elétricas para usar em seus projetos, mas não soube a hora de parar e cada vez eles aumentaram as suas técnicas e cada vez foi complicando mais, e agora seus filhos ficam de dez a quinze anos nas escolas para poder sobreviver nesse lugar. O homem civilizado que se recusou a habitar o seu mundo natural tem que habitar e se reabitar o mundo que fez para poder sobreviver.



Jaqueline de M. Santos
Karolaine A. Amaral 8ªA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário